Animais Fantásticos | Por que, agora, já podemos nos empolgar?

Artigos
// 11/11/2016
animais-fantasticos-e-one-habitam

Quando Animais Fantásticos e Onde Habitam foi anunciado lá atrás, há cerca de três anos, os sentimentos foram mistos: da alegria por estarmos voltando ao universo mágico criado por J.K. Rowling à satisfação nem tão grande por se estar investindo tempo e energia para contar uma história que não era o que os fãs esperavam (ou gostariam) – pelo menos não exatamente. De lá pra cá, muito pouco foi revelado sobre a trama principal (o que é um verdadeiro milagre – pra não dizer façanha – do estúdio). E eis que, às vésperas do lançamento do primeiro de uma série de cinco filmes (inicialmente dois e, depois, uma trilogia), começamos a receber um tiroteio de informações extra-oficiais por parte do diretor, produtor e autora/roteirista que finalmente estão conseguindo definir para o público sobre o que, afinal, se trata a nova trama totalmente roteirizada por Rowling. E tem feito isso de uma forma muito melhor do que os trailers, imagens e matérias oficiais.

Animais Fantásticos e Onde Habitam era um dos livros didáticos lidos pelos alunos de Hogwarts, assinado pelo personagem Newt Scamander, que chegou a ser realmente escrito por J.K. Rowling na década de 2000 (ao lado de Quadribol Através dos Séculos, outro livro didático). Apesar de fictício, o livro não é uma história, mas sim uma enciclopédia de vários seres mágicos conhecidos pela ciência bruxa. Quando os dois filmes que adaptariam o livro foram anunciados pela Warner Bros., logo foi deixado claro que se tratavam de uma nova trama escrita especialmente para o Cinema que contaria as aventuras de Newt Scamander que o permitiram escrever a tal enciclopédia. E o que isso acrescentaria ao universo mágico de Rowling? Muito. E o que isso acrescentaria à história de Harry Potter, que os fãs (e até quem não é tão fã assim) amam? Em tese, nada.

animais-fantasticos-e-one-habitam

Diferente de O Senhor do Anéis, em que temos um universo incrivelmente desenvolvido na trama e personagens nem tão aprofundados assim, em Harry Potter temos o exato oposto (geograficamente falando). Nos sete livros publicados, muito pouco saía do eixo britânico, muito menos do europeu. Como a magia é gerenciada ao redor do mundo? Quais foram as implicações dela na História? Onde ela se cruzou com o mundo trouxa? Animais Fantásticos, o filme, já tinha a proposta de pincelar algumas dessas respostas desde sua concepção. Afinal, o cenário mudou para a América, Nova Iorque, onde toda uma nova política será apresentada, mas muito centrada em um personagem novo (o que é ótimo) que em quase nada se ligaria ao intenso arco explorado nos livros e filmes. Mas agora sabemos que não será apenas isso. Agora, sabemos que podemos, de fato, nos empolgar com a ideia.

Se as informações passadas por J.K. Rowling, o diretor David Yates e o produtor David Heyman estiverem indicando o público pro lado certo, Animais Fantásticos será o primeiro de cinco filmes que irão construir todo o mundo (literalmente) que foi palco, mesmo que lá na Grã-Bretanha, da Grande Batalha de Hogwarts no final da década de 1990. E isso entregando novas informações preciosas e outras que até chegamos a tomar conhecimento nos livros, mas nunca tivemos um air time nos filmes que possibilitasse sua exploração (Oi, surgimento de Tom Riddle, tô olhando pra você).


Como a magia é gerenciada ao redor do mundo? Quais foram as implicações dela na História? Onde ela se cruzou com o mundo trouxa? Animais Fantásticos, o filme, já tinha a proposta de pincelar algumas dessas respostas desde sua concepção.


19 Anos em Cinco.

A principal informação foi dada ontem por J.K. Rowling direto da premiere em Nova Iorque do filme: todo o arco dos cinco filmes acontecerá ao longo de 19 anos, se concluindo em 1945. Uma rápida olhada no “calendário bruxo” mostrará que esse é o ano em que aconteceu o lendário duelo entre Alvo Dumbledore (ainda não escalado) e Gerardo Grindelwald (Johnny Depp), os dois mais poderosos bruxos da época, um evento de proporções gigantescas cujo fim concedeu ao popular diretor de Hogwarts a posse da Varinha das Varinhas, a poderosa Relíquia da Morte buscada por Voldemort no último livro/filmes.

varinha-das-varinhas
A Varinha das Varinhas, alvo do desejo de Voldemort em Relíquias da Morte.

Novos Protagonistas.

Segundo David Heyman, em entrevista nos últimos dias, Newt Scamander pode ser o protagonista agora, mas isso não deve acontecer nos demais filmes, cujo foco da trama deverá ser, de fato, Dumbledore e Grindelwald. Rowling, aliás, já deu a entender que a relação amorosa entre os dois bruxos pode acontecer, sim, uma vez que Dumbledore será abertamente gay dessa vez. O título dos próximos filmes não deve seguir o padrão “Animais Fantásticos e Onde Habitam”.

Primeira Guerra Bruxa e Segunda Guerra Mundial estão Interligadas.

Já no primeiro trailer de Animais Fantásticos, podemos ver os personagens citando uma guerra que, desde então, muitos imaginavam se resumir apenas à Primeira Guerra Bruxa, o cenário do duelo Dumbledore X Grindelwald. Mas depois de sabermos através de David Yates que cada um dos cinco filmes se passará em um local diferente (o próximo é Paris e especula-se que um deles aconteça na América do Sul, passando pelo Brasil) e juntando essa informação àquela dada por J.K. Rowling ontem, podemos esperar que a Primeira Guerra Bruxa, na verdade, esteja diretamente relacionada à Segunda Guerra Mundial (muito graças à informação também já divulgada por Rowling de que as duas Guerras têm relação, sim), e que uma das alianças firmadas entre Grindelwald (que era aluno da Escola de Magia de Durmstrang – aquela mesma de Viktor Krum e do inescrupuloso Igor Karkaroff em Cálice de Fogo) tenha sido o trouxa (risos) Adolf Hitler. E se Harry Potter sempre se saiu muito bem nas alusões à política do mundo real através da política dos bruxos, imagine quão longe e bem argumentada essa história pode ser ao misturar as duas em uma trama só (e, praticamente, potencializar a sensação dos fãs de que a Magia é real e que nós, trouxas, apenas estamos de fora dela – e agora não precisamos percorrer as ruas de Londres pra sentir isso). Para quem não lembra do Ensino Médio, a Segunda Guerra Mundial acabou em 1945.


Podemos esperar que a Primeira Guerra Bruxa, na verdade, esteja diretamente relacionada à Segunda Guerra Mundial.


Personagens Antigos, Novas Informações.

Se tem algo praticamente claro para enxertar os cinco filmes da nova série é o foco em personagens que somente na série Harry Potter ganharam importância. O arco vai de 1926 (o primeiro filme, que estreia na próxima semana) até 1945 (o último, que deve desembarcar lá pra 2024). E se temos que abordar a Primeira Guerra Bruxa (e consequentemente a Segunda Guerra Mundial), estamos falando de Dumbledore. E se estamos falando dele nesse período, estamos passando por Tom Riddle também. De acordo com as datas, em 1943 Riddle estava em seu último ano de Hogwarts, época em que Dumbledore já lecionava na escola. Ano, inclusive, que Riddle abriu a Câmara Secreta e liberou o Basilisco que matou a Murta que Geme (cujo fantasma se tornou uma “amizade” valiosa a Harry). As datas dão aos filmes dois anos sobrando dentro do arco narrativo para abordarem não só o trabalho como empregado da Borgins & Burkes, como a criação de suas primeiras Horcruxes e parte da trama familiar de Tom Riddle, que foi revisitada por Harry e Dumbledore através da Penseira em Enigma do Príncipe, mas que ficou de fora do sexto filme. Isso dá a entender que não só os cinco filmes vão narrar a vida de Dumbledore, Grindelwald, a Guerra Bruxa e Segunda Guerra, como irão se encerrar no momento em que Tom Riddle se torna Voldemort (ponto a partir do qual nós já sabemos boa parte). Val lembrar que Tom Riddle nasceu em 31 de dezembro de 1926 (temos um provável easter egg do primeiro filme aqui?).


As datas dão aos filmes dois anos sobrando no arco narrativo para abordarem trabalho de Tom Riddle/Voldemort como empregado da Borgins & Burkes e a criação de suas primeiras Horcruxes.


O que parece é que uma clara concomitância vai acontecer. Ao mesmo tempo que Newt Scamander vive suas aventuras no primeiro filme, temos uma época pré-nascimento de Voldemort, ascensão de Dumbledore como professor de Hogwarts e de Grindelwald como bruxo para, nos próximos filmes, vermos um desenvolvimento do relacionamento desses dois enquanto uma Guerra Bruxa é levantada conforme a Segunda Guerra Mundial também toma forma. Tudo isso enquanto Tom Riddle toma sua passagem em Hogwarts (veremos um jovem Hagrid de novo?) e avança, depois, em seus primeiros passos como Voldemort. Se a trama for inteligente, ela saberá não só trazer todas essas informações, como ainda explorar os recantos da Magia ao redor do planeta (a proposta inicial do projeto é extremamente necessária para dar mais valor ao universo de J.K. Rowling), até mesmo para explorar as consequências das guerras em curso. Com cinco filmes dá, realmente, pra fazer.

Sem Furos.

“Mas como isso levou a isso aqui?”. “Ué, mas temos um buraco na história…”. “Isso não ficou tão bem amarrado”. Adaptar os densos livros de Harry Potter para o Cinema era complicado. Não só os livros eram relativamente grandes, como lançavam mão de poucas informações cortáveis sem prejuízo da trama. Isso sem mencionar que eles foram realizados enquanto as histórias originais eram escritas, sem poderem adivinhar o que seria importante no futuro ou não. Agora, temos dois fatores extremamente combinantes: J.K. Rowling escreve os roteiros e tem tudo arquitetado em sua cabeça e nada deve ficar de fora se for essencial ou deixar de constar se não for. Sem mencionar que os contos são originais, ou seja, já foram pensados para a linguagem e estrutura do Cinema. Sem adaptação.


Harry Potter e o Enigma do Príncipe
, um dos filmes que mais sofreu com mudanças em relação ao livro.

Quem Não Deve Aparecer

Os pais de Harry Potter, assim como o restante dos Marotos (que criaram o Mapa do Maroto) não devem aparecer. Sua trama aconteceu na década de 1970. Os pais ou avós dos demais alunos, bem como alguns professores, também devem ficar de fora. Quem deve surgir em algum momento, ainda criança, é Minerva McGonagall, que nasceu em 1935 e, talvez, surja em algum momento do último filme, perto dos dez anos de idade. A trama de Ariana Dumbledore e seu especulado caso de abuso também devem ficar de fora (a não ser que por resgate em um flashback, se a história de Alvo for muito aprofundada). Ariana morreu em 1899 (o que gera um patamar de 50 anos de rancor entre Dumbledore e Grindelwald – bastante potencial na DR mágica).

lilian-e-tiago-potter
Pais de Harry não devem sequer serem citados.

Cronologia Confusa.

Só há, entretanto, um problema: a cronologia. Nos filmes, a história fora adaptada para acontecer no mundo atual (década de 2000 a 2010), com celulares, TVs de plasma e carros automáticos (basta observar esses detalhes nas passagens no mundo trouxa), o que pode desregular o encontro da cronologia proposta por Animais Fantásticos e Onde Habitam e Harry Potter cinematograficamente.

familia-dursley
Deveria ser 1995, mas no Cinema era 2007 e já tinha TV de plasma em Harry Potter e a Ordem da Fênix.

É incerto que a maioria dessas respostas seja dada em 17 de novembro de 2016. Afinal, tudo é especulação a partir de informações dadas pela equipe envolvida. Mas é certo que com o lançamento de Animais Fantásticos e Onde Habitam poderemos ter, sim, uma ideia sobre a direção que os filmes vão tomar, o que pretendem abordar. E com certeza alguma informação valiosa sobre o universo ou os personagens deva ser dada nessa primeira parte. Afinal, os motores precisam ser esquentados pra segurar o público por mais dez anos, praticamente. Só nos resta torcer para que a franquia não acabe sendo o prelúdio bagunçado que foi, por exemplo, a nova trilogia Star Wars.

Encontrou algum furo, teve outra ideia ou quer apontar alguma informação que deixamos escapar e que mude o que trouxemos nesse texto? Avisa pra gente nos comentários.

Comentários via Facebook
Categorias
Artigos, Fantasia