Caça-Fantasmas | Por que parte do público insiste em odiar um filme que não viu?

Aventura
// 11/07/2016

Todo ano, somos bombardeados por um sem-fim de continuações e reboots no cinema. A escolha é bastante óbvia: para garantir uma bilheteria gorda, os estúdios buscam produzir para os públicos que já existem (não é à toa que a cada semana menos histórias exclusivas chegam ao cinema). É nesses projetos que as portas para eventuais mudanças na trama original são abertas, permitindo que a nova versão de um filme antigo se adapte às necessidades de mercado, narrativas, tecnológicas ou à realidade social atual. É por esses e outros fatores que o Batman se tornou mais sombrio, que o Superman perdeu a cueca sobre as calças ou que Pânico 4 transferiu o cenário para as redes sociais e tecnologia móvel. “Nova década, novas regras”, como muito bem dizia o slogan do terror de Wes Craven.

Em 2016, o super popular Caça-Fantasmas também volta aos cinemas, mas com uma mudança essencial: agora, a história (que não é uma continuação, mas um remake) é protagonizada por mulheres. Rebu: antes mesmo do primeiro trailer surgir na web, uma onda de comentários por parte dos “fãs” do filme original trouxe uma leva imensurável de ataques e comentários de ódio ao time feminino. O motivo era apenas a escalação de elenco. Saem Dan Aykroyd, Bill Murray, Harold Ramis e Ernie Hudson e entram Leslie Jones, Melissa McCarthy, Kate McKinnon e Kristen Wiig. A defesa dos autores de tais comentários, àquela época, era a de que nenhum elenco poderia substituir o célebre quarteto do longa de 1984. Se ligássemos o botãozinho da inocência em nossas cabeças, daria até para engolir o argumento da nostalgia, não fosse a divulgação do primeiro trailer de Caça-Fantasmas (2016).

Em pouco tempo, a prévia se transformou no vídeo mais odiado da história do Youtube, com 900 mil rejeições. Todos têm o direito a ter uma opinião, mas toda essa reprovação veio acompanhada de mensagens machistas, misóginas e ameaças de morte ao diretor Paul Feig (das aclamadas comédias Missão Madrinha de Casamento e A Espiã que Sabia de Menos – ambos com McCarthy no elenco) e ao time feminino do filme, chamadas de feminazis (algo que jamais deve ser dito a uma mulher). E isso, caro, não é opinião.

Agora, as primeiras críticas ao filme começaram a surgir em sites como o Rotten Tomatoes e a recepção tem sido positiva (no momento o filme possui 79% de aprovação). A boa aceitação foi o suficiente para mais comentários levianos surgirem entre o público. No Twitter, fãs tem acusado os críticos que gostaram do filme de terem sido comprados pela Sony e alegam que mal podem esperar para boicotarem a produção, tudo pelo simples fato das protagonistas de um longa de ação e ficção-científica serem mulheres.

Em um momento em que Star Wars: O Despertar da Força, também protagonizado por uma mulher (e um rapaz negro), se transforma na segunda maior bilheteria da história do cinema, e em que Mad Max: Estrada da Fúria usa todo o seu espetáculo técnico para promover o empoderamento feminino, seria no mínimo estranha essa recepção da plateia. Seria, caso esses dois filmes também não tivessem sofrido os mesmos tipos de ataques justamente por darem tanto destaque a figuras femininas. O que é curioso, na verdade, é que tanto Paul Feig quanto Melissa McCarthy e Kristen Wiig são três artistas já há bastante tempo nas graças do público, mas só até o ponto em que estrelam os chamados “filmes cor de rosa”. A mudança de comportamento em relação aos três muda drasticamente quando o trio passa a administrar um tipo de produto que o público machista reclama para si (as super-produções de grande orçamento, efeitos visuais, ação e muito heroísmo). Claramente uma segregação. Enquanto o palco forem as comédias-românticas, aplausos. Cruzar a linha para o universo da ação ficcional é crime e posicionamento feminazi – não precisa entender, realmente não há qualquer sentido nesse raciocínio.

Vivemos uma época de total combate à intolerância em que a melhor (e mais efetiva) estratégia tem sido a representatividade. Por muito tempo, a indústria fora criticada por não observar essa necessidade de validação do mundo real nas telas (e, para falar a verdade, ainda faz por merecer as acusações). Mas é preciso enxergar o quão imaturo e preconceituoso é o público geral para receber propostas tão válidas quanto Caça-Fantasmas e entender que, ainda que devagar e a duras penas, Hollywood tem feito o mínimo. O problema vai muito além da não representatividade, vai ao ponto doloroso em que a plateia não quer ver na tela aquilo que tem medo de se identificar sem aceitar.

Caça-Fantasmas estreia nessa quinta, 14 de julho, e estamos bastante animados para ver as meninas em ação. Seja bom ou ruim, essa pipoca já tá garantida na nota do filme em nossa crítica, que publicaremos aqui.

Comentários via Facebook