CRÍTICA | 360

Críticas
// 17/08/2012

Estruturado na forma de uma espécie de mosaico, na linha de filmes como Crash e 21 Gramas, o novo longa do diretor de Cidade de Deus, Fernando Meirelles, conta as histórias interligadas de nove personagens em cinco idiomas e sete cidades ao redor do planeta. Uma trama fluida somada a um elenco empenhado e nitidamente à vontade são os principais trunfos de 360.

 360
Por Gabriel Costa

O formato já não é novidade. De Pulp Fiction a Babel, passando por Magnolia, há décadas o cinema mundial brinca com a ideia de vidas conectadas por laços evidentes para um observador externo – o público –, mas invisíveis para os participantes das situações. Em 360, é a vez do roteirista Peter Morgan, de O Último Rei da Escócia e Frost/Nixon, abordar o tema, e ele o faz com fluidez admirável, embora fique a impressão de que nem todas as situações apresentadas chegam a receber a devida atenção por parte do diretor Fernando Meirelles.

O ponto de partida para a trajetória circular sugerida no título é Viena, onde conhecemos as irmãs eslovacas Anna e Mirka, intepretadas por Gabriela Marcinkova e Lucia Siposová, respectivamente. Em uma sequência seca, Mirka, a mais velha, é fotografada seminua para um catálogo online de prostitutas, enquanto ouvimos uma narração em off de Anna sobre escolhas e suas consequências. A cena dá o tom de boa parte do filme, em que é constante o posicionamento desconfortavelmente próximo do público em relação aos personagens. O primeiro cliente de Mirka é Michael Daly (Jude Law, ótimo em um papel relativamente pouco explorado), um inglês casado em uma viagem de negócios. Mas Daly não é o único com segredos na relação, uma vez que, em Londres, sua esposa Rose, interpretada por Rachel Weisz mantém um caso tórrido com o jovem brasileiro Rui (Juliano Cazarré), que por sua vez também tem uma namorada, Laura (Maria Flor). Inconformada com a infidelidade de Rui, Laura decide voltar para o Brasil, e no vôo conhece um homem mais velho (Anthony Hopkins) à procura de sua filha desaparecida há anos.

O mau tempo faz com que eles fiquem presos no aeroporto de Denver, onde também está Tyler (Ben Foster), recém-saído da prisão após cumprir pena por um crime sexual não especificado. A malha de conexões atinge ainda um dentista muçulmano (Jamel Debbouze) secretamente apaixonado por sua assistente Valentina (Dinara Drukarova), que é casada com o russo Sergei (Vladimir Vdovichenkov). O tempo dedicado a cada uma dessas histórias não é dividido de forma homogênea, de modo que alguns desenvolvimentos importantes acabam acontecendo fora da tela. Por outro lado, as voltas em torno do círculo de personagens acontecem com naturalidade. Sentimentos são expostos sem rodeios, e essa simplicidade direta é ressaltada pela fotografia límpida de Adriano Goldman, que também trabalhou com Meirelles em Som e Fúria.

Os vários protagonistas estão todos em momentos de mudanças cruciais em suas vidas, e as diferentes trajetórias são acompanhadas por distintas nuances de atuação. Foster é atormentado e intenso, e junto com o diretor consegue passar toda a tensão que acompanha Tyler em sua volta à vida em sociedade. Hopkins, improvisando à vontade é o oposto: mesmo com a trágica busca empreendida por seu personagem, ele transmite leveza e segurança, e tem o mérito de transformar um monólogo que tinha tudo para parecer forçado nos limites da breguice em uma das cenas mais interessantes do filme. Maria Flor demora um pouco para encontrar o tom de Laura, mas demonstra competência e até uma notável química nas interações com Hopkins. A dupla de atrizes eslovacas também se destaca, enquanto Vdovichenkov é uma agradável surpresa à parte.

O grande número de locações, personagens e mesmo idiomas falados conferem um ar ambicioso ao que é, no fundo, uma reflexão simples sobre relacionamentos humanos e o inevitável momento de deixar algo – ou alguém – para trás. Alvo de críticas controversas no exterior, 360 dificilmente ocupará uma posição semelhante à de Cidade de Deus no currículo de Meirelles. Independentemente disso, no entanto, a obra vai além de um interessante exercício de narrativa e prova-se sincera e cativante.

 

——————————

360 (Reino Unido/Áustria/França/Brasil, 2012). Drama. BBC Films/O2 Filmes
Direção: Fernando Meirelles
Elenco: Anthony Hopknis, Ben Foster, Maria Flor, Jude Law, Rachel Weisz

Comentários via Facebook
Categorias
Críticas, Drama