CRÍTICA | Invasores

Críticas
// 13/07/2009
invasores

Em Hollywood, além de beleza e talento, é fundamental que se saiba fazer escolhas. Uma boa intuição, seja na seleção de papéis, roteiros ou diretores, têm sido cada vez mais determinante para o sucesso. Nicole Kidman que o diga. A atriz australiana, que brilhou em filmes como Moulin Rouge, As Horas e Dogville, têm a cada nova produção, recebido críticas mais ferrenhas. Reencarnação, A Feiticeira e mais recentemente o enfadonho Austrália,  exemplificam o porquê do seu nome ter se tornado sinônimo de má sorte entre as grandes produtoras.

Invasores é, como não, mais uma pérola dessa sua fase pouco inspirada. Ela está bem, porém condicionada a um personagem limitada e redundante: dessa vez, o da mãe protetora.

Quarta adaptação para o cinema do livro de  Jack Finney, o filme (como invariavelmente acontece com os remakes) perde em charme e conteúdo para o original.

Na história, a queda de um ônibus espacial dá início a uma série de estranhos acontecimentos. O contato com os destroços acaba por promover a disseminação de um misterioso e resistente micro-organismo entre a população. Kidman, no papel da psiquiatra Carol Bennes, começa a notar mudanças no comportamento das pessoas, a começar pelo seu ex-marido, com quem o filho vai passar o final de semana. As vítimas da nova pandemia agem maquinalmente, não demostrando quaisquer sinais de emoção, embora ainda preservando sua rotina e memória. A transmissão ocorre por meio de uma secreção expelida pelos infectados (algo muito semelhante a vômito) e uma vez contaminada, a vítima só manifesta os sintomas após o sono. A saída é portanto, não dormir. Preocupada com o filho, Carol e o namorado (interpretado por Daniel Craig), saem a sua procura. A partir daí o filme se desenrola em sequências de perseguição, nas quais nossos intrépidos heróis se passam por infectados na tentativa de escapar da multidão.

A versão original, Vampiros de Corpos, lançada em tempos de Guerra Fria, logo foi encarada como parte da campanha anti-macarthita. Ainda que desmentida pelo próprio autor, que alegou não ter tido outras pretensões senão o entretenimento, a história do mau silencioso que se espalha entre a população de uma cidadela, transformando o mentalidade dos seus habitantes, foi tomada em muitos aspectos como referência ao comunismo.

Em Invasores, por sua vez, o diretor Oliver Hirschbiegel repaginou esse aspecto da trama, contextualizando a Guerra no Iraque e insistindo numa mensagem sobre as particularidades da natureza humana. Não há vida se respeitadas todas as regras e é preciso que ela siga seu curso naturalmente. Ponderações até interessantes, mas um pouco inoportunas diante do caráter bizarro do filme.

Se em Invasores, dormir é o pior erro, para o público talvez seja a solução.

——————————————————————————————

The Invasion (EUA, 2007). Terror. Warner Bros. Pictures
Direção: Oliver Hirschbiegel e James McTeigue
Elenco: Nicole Kidman, Jeffrey Wright, Daniel Craig

Comentários via Facebook
Categorias
Críticas, Terror