CRÍTICA: O Visitante

Críticas
// 20/03/2009

A temporada das grandes premiações já terminou, mas só agora alguns dos filmes indicados estreiou oficialmente no Brasil. O Visitante, que sequer tem título definido por aqui, traz Richard Jenkins no papel que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar. Confira.

O Visitante
Por Matusael Ramos

Dizer que O Visitante se trata de um drama sobre imigração ilegal, seria, além de bastante conveniente, injustamente superficial. Aclamado quase que exclusivamente pela atuação indicada ao Oscar (e digna da estatueta!) do veterano Richard Jenkins, o filme, impregnado pelos ares do cinema independente, fala sobretudo das transformações que inerentemente sofremos no convívio com o outro.

Em O Visitante, Jenkins interpreta Walter Vale, um infeliz professor de economia fadado a rotina escolar, que precisa viajar até Nova York para a realização de uma conferência sobre países emergentes. Qual não é a sua surpresa porém, ao chegar no apartamento que não visita há anos e descobrir que lá vive tranquilamente um jovem casal de imigrantes ilegais. Tarek e Zainab – ele um músico sírio, ela uma artesã senegalesa – se propõem a sair, ainda que sem um destino certo; mas Walter acaba por deixá-los ficar até encontrarem um novo lugar para morar. É a partir daí, dessa relação estabelecida como que acidentalmente, que se opera uma verdadeira transformação na vida de Walter. Antes um tanto solitário e maquinalmente dedicado ao trabalho, ele descobre no djembê, uma espécie de tambor africano tocado por Terek, uma válvula de escape para as suas frustrações.

O mais interessante é brilhantismo por trás da atuação de Jenkins, que se mostra arrebatador onde inegavemente está sendo discreto. Conforme novas nuances constróem seu personagem, ele se aproxima mais e mais de uma pessoa como outra qualquer. Paciência, satisfação, amizade: sentimentos muito bem traduzidos pelo ator. Maltratado por anos de reconhecida frustração, Walter, ao solidarizar-se com o casal, toma pra si o dever de ampará-los, como que ansiando em realizar algo efetivamente; e a oportunidade surge quando num incidente, Terek é preso e fica na iminência da deportação.

O filme peque talvez pela insconstância, já que não consegue, a partir da segunda metade, manter o ritmo – decididamente lento. Uma parcela da culpa talvez de deva a personagem da mãe de Terek, importante, porém um pouco deslocada; a outra, à poetização exacerbada em certas cenas. Se o intuito é cativar, outros filmes, como o comovente Terra de Sonhos, também sobre imigração, cumpre a função com maior êxito.

O Visitante é o típico filme despretensioso e que por conta disso mantém-se longe do grande público. Aos que prezam uma interpretação de fato autêntica e uma singela história sobre um gesto de tolerância que se configura em amizade, convém a indicação.

The Visitor (EUA, 2008). Drama. 20th Century Fox.
Direção: Thomas McCarthy.
Elenco: Ramon Fernandez, Richard Jenkins, Marian Seldes, Haaz Sleiman.

Comentários via Facebook
Categorias
Críticas, Drama