CRÍTICA: Qual o Seu Número?

Comédia
// 13/10/2011

Só o somatório das receitas geradas pelas comédias românticas explica o motivo de elas ainda existirem. Porque a bilheteria isolada de cada filme deste tipo é inexpressiva, praticamente desconsiderável. Mesmas qualidades estas que podem ser atribuídas a Qual é o Seu Número?, que só não desaponta porque não oferecia nada.

Leia a crítica clicando em “Ver Completo”.

Qual o Seu Número?
por Arthur Melo

Atire a primeira pedra quem nunca fez cara de “me gusta” e pose de vidente ao final de uma comédia romântica. A verdade deste fato é tão óbvia quanto o desenlace de um filme do gênero. O pior é que, para piorar, houve o tempo em que só o desenlace era premeditado. Como se não fosse o bastante, Qual é o Seu Número prova que esta era já se passou e, agora, todo o esqueleto da história já está batido e nem mesmo as situações que o envolvem e o movimentam se salvam.

No filme, Anna Faris é Ally, uma jovem que descobre ao ler um exemplar da Marie Clair que a média de parceiros sexuais de uma mulher norte-americana antes de se casar é 10.5. Ao constatar que este número é bem alto até para o padrão de suas amigas mais “saidinhas”, se desespera. Agora ela resolve que irá atrás de todos os seus 20 ex-namorados com o intuito de descobrir qual deles pode ser reciclado e aproveitado para um casamento, o que evitaria de alcançar o número 21 (o dobro do tal padrão estabelecido). Mas encontrá-los não será tão fácil e ela precisará recorrer à ajuda de seu vizinho mulherengo e perito em stalkear (“espionagem facebookiana”, digamos assim) Colin (Chris Evans).

A premissa parece divertida. E em certo ponto é. Às vezes até somos agraciados com uma chance para um riso genuíno, mas isso devido aos poucos bons momentos de Anna Faris. Uma pena que isso seja permitido apenas pelo resgate de figuras passadas da atriz, que em comédias se cristalizou por fazer graça com a inocência de seus personagens. Mas é impossível estar à sombra de Todo Mundo em Pânico e A Casa das Coelhinhas a todo instante e, não ajudada pela fraqueza do texto, escorrega. Sobra para Evans que, curiosamente, se sai bem. A preocupação de antigamente em fazer cara de bonitão às câmeras e retribuir com caras e bocas que entregavam uma reação forçada se foi. Assim como a suas manjadas expressões cada vez que precisava pensar ou se mostrar aflito. No lugar entra um maior cuidado em não sobrecarregar nos diálogos, o que o classifica como um ator normal (e isso foi um progresso).

Mas os raros acertos de Faris e o bom encaixe de Evans em seu papel estão muito longe de garantirem um produto elogiável. Toda a trama é cercada por obviedades. E, mesmo se usarmos o raciocínio de que a base argumentativa do longa é invariável por estar obrigada a atender a uma fórmula para estar no campo das comédias românticas, ainda haverá problemas. Os encontros de Ally com os seus antigos amores são de pronto encarados como uma grande enrolação povoada pelos variados tipos de homens. Um prato cheio para a preguiça criativa dos roteiristas poder esticar as pernas e fazer piadas em cima de estereótipos (ainda que valha a pena ver Martin Freeman e Zachary Quinto dando as caras). E, claro, um desenvolvimento do já constatado desespero de Ally para separá-la de sua realização: Colin. Quando tudo já está encaminhado, nota-se que a minutagem ainda não alcançou os seus 90 minutos e, para sustentar a fita que ainda há para rolar, o casal precisa ser separado geograficamente para que a mocinha tenha um momento de redenção e largue seja lá o que tiver de mais seguro para o seu futuro para voltar para quem verdadeiramente ama. Típico. Cansativo. Mas ainda alvo de olhares esperançosos de muita gente da vida real.

A reciclagem que Ally busca fazer com seus vinte ex-namorados é tão agressiva quanto aquela que o roteiro faz com o gênero. Parece que, assim como a personagem, o filme não quer ter o trabalho de acrescentar alguma coisa nova só para não correr o risco de falhar. Fica tão óbvio que a palavra “metalinguagem” até acena para quem acompanha tudo. Só é uma pena que o resultado de Qual é o Seu Número? não seja tão positivo quanto aquele que Ally colheu em seu final.

——————————

What’s Your Number? (EUA, 2011). Comédia romântica. Fox Filmes
Direção: Mark Mylod
Elenco: Anna Faris, Chris Evans, Ari Graynor, Blythe Danner

Comentários via Facebook
Categorias
Comédia, Críticas, Romance