CRÍTICA | Se Eu Fosse Você 2

Comédia
// 13/04/2009
se-eu-fosse-voce-2

As salas de cinema andam recheadas por uma leva interminável de comédias românticas bobas ou do clássico pastelão. Ambas compostas por tramas clichês marcadas por frases feitas, desanimam aqueles que têm alguma esperança de conseguir apenas boas risadas com o que é novidade. E, por mais que o cinema americano seja criticado por este aspecto falho, o que o Brasil tem a oferecer nessa área raramente foge disso – pelo menos quando em referência ao que é oferecido ao grande público. Se eu Fosse Você, de 2006, foi um exemplo. Usando a já conhecida e muito explorada experiência de troca de corpos entre duas pessoas – uma tendo que se adaptar e “sobreviver” às obrigações e limitações da outra – a comédia de Daniel Filho pouco acrescentava ao que já foi usado em outros filmes do tema. Felizmente Se Eu Fosse Você 2 segue um caminho diferente; quase oposto.

Alguns anos após a hilária e traumatizante troca de corpos, Cláudio (Tony Ramos) e Helena (Glória Pires) se vêem diante de uma crise no casamento. As divergências são tamanhas, e, anulado de qualquer possibilidade de argumentação, Cláudio é expulso de casa. É quando os dois, por uma pressão de Helena, decidem se divorciar que a transfusão acontece mais uma vez; no pico de um momento de estresse. Não abalados o suficiente pelo provável fim do casamento, os dois são obrigados a se manter próximos mais uma vez para enfrentar a gravidez precoce da filha Bia (Isabelle Drommond), agora com 18 anos.

A partir de então, o casal enfrenta as piores provações possíveis, ora que já não podem mais contar com o auxílio do outro para entender e contornar as implicâncias de viver no corpo do sexo oposto. É evidente que são estas as passagens mais batidas, retomando todo o princípio e conteúdo já vistos várias vezes em comédias que retratam a experiência sobrenatural de Cláudio e Helena. A diferença entre este e tantas outras histórias do estilo é que as vítimas não são marinheiros de primeira viagem. Uma vaga ideia de como prosseguir o dia-a-dia dentro da estrutura do parceiro já existe. A novidade é usar essa segunda experiência como arma para sair ganhando no momento mais conturbado da relação. Contudo, a graça não se perde e o mérito é cem por cento de Tony Ramos e Glória Pires. A cena do aperto de Helena, no corpo de Cláudio, para ir ao banheiro é divertidíssima tamanha habilidade de Ramos para incorporar (literalmente) a personagem. Mas nada supera o grande espetáculo que Glória dá em cena. Desde os trejeitos do ator Tony Ramos até a maneira de se posicionar e impor a voz que ele já apresentara anteriormente em Cláudio estão vivos na atriz. Destaque para a cena em que os dois discutem na sala de estar diante da filha ao descobrirem sobre a sua gravidez. A dupla encena uma simetria perfeita, muito além do que podia ser encontrado no longa anterior.

Como se não bastasse, o resto do elenco também contribui. A entrada de Isabelle Drummond deu o tom certo à personagem: saiu a imagem de adolescente chatinha e entrou uma postura mais centrada, apesar do pavor escancarado em sua fisionomia em contar sobre a existência de um bebê sendo gerado para os pais. Chico Anysio também acrescenta doses parceladas de humor, apesar da pouca importância do personagem à trama. Até a participação especial de Adriane Galisteu se salva se não for direcionado um olhar muito atento; algo que já não se pode dizer sobre Maria Luisa Mendonça, que exala um ar mais forçado e caricato.

É satisfatório ver que o foco foi dado ao melhor que Se Eu Fosse Você 2 poderia oferecer: as expressões hilariantes da dupla protagonista. Bem como se divertir com um enredo coeso, simples, sem muitas frases de efeito – seja para atrair o riso ou dar seqüência em uma lição familiar – e tantas expressões verbais cotidianas, cada qual em seu lugar, seguido por uma piada medida e encaixada no momento oportuno. Para um filme que já perde em originalidade por tentar prosseguir com uma sinopse em que o clichê é o centro das atenções, se esquivou bem do grande lugar-comum que tem sido o cinema.


Se Eu Fosse Você 2 (Brasil, 2008). Comédia. Globo Filmes.
Direção: Daniel Filho
Elenco: Glória Pires, Tony Ramos, Maria Luisa Mendonça, Chico Anysio, Isabelle Drummond.

Comentários via Facebook
Categorias
Comédia, Críticas, Nacional