CRÍTICA: Transformers: O Lado Oculto da Lua

Ação
// 29/06/2011

Prometendo uma experiência única em 3D e um bom motivo para esquecer a existência do segundo filme, Transformers: O Lado Oculto da Lua chega ao Brasil nesta sexta-feira. O longa teve uma intensa campanha de marketing no Brasil, contando inclusive com a presença do diretor e elenco por aqui.

De fato, Michael Bay conseguiu aparar algumas pontas e este terceiro filme é indiscutivelmente melhor do que o segundo. Mas, claro, para alguns a expressão poderia ser “mais suportável” e opinião, inclusive, totalmente oposta; o que sustenta a nota sete apenas e unicamente para o público fã dos robôs. Leia a crítica clicando em “Ver Completo”.

Transformers: O Lado Oculto da Lua
por Ross L. Miller

O terceiro filme da franquia Transformers chega cheio de expectativas para os fãs. Não exatamente pelo frisson, mas pelo temor de Michael Bay repetir o desastroso resultado do antecessor, culpa convenientemente jogada à greve de roteiristas em 2007. Mas parece que Bay estava sendo sincero quando afirmou que A Vingança dos Derrotados (péssima tradução) era um lixo. Nota-se um esforço, em O Lado Oculto da Lua, de Michael Bay retornar aos elementos clássicos dos desenhos animados e, pasmem, de controlar um pouco seus “vícios” de produção.

O filme começa com uma narração de Optimus Prime comentando sobre a guerra em Cybertron e sobre o evento no qual seu antecessor, Sentinel Prime, desapareceu em uma nave chamada Ark, numa tentativa de proteger a “última esperança de Cybertron”. É perceptível aqui uma tentativa de se aproximar da ficção dos desenhos animados e quadrinhos tradicionais (um dos roteiristas do filme é do desenho original) exceto pelo fato de que a nave caiu na Lua. Detectada pelas superpotências durante a Guerra Fria, a busca dessa nave desencadeou a corrida espacial. Essa premissa torna o episódio, pelo menos durante sua primeira metade, um filme com alto teor conspiratório que insere até Chernobill na trama, o que, por si só, já ajuda a distanciá-lo dos seus antecessores.

Sam Witwicky (Shia LaBeouf) é agora um homem recém-formado e desesperado em busca do seu primeiro emprego. Depois de levar um pé na bunda de Mikaela (Megan Fox), conhece sua nova namorada, Carly Spencer (Rosie Huntington-Whiteley) ao receber uma medalha de bravura pelo presidente. Apesar da explicação mal colocada da substituição, Rosie consegue a proeza de colocar Megan Fox no passado da franquia. Fox simplesmente não faz nenhuma falta nenhuma. Rosie é mais bonita, mais sexy, melhor atriz e o mais importante, tem alguma utilidade.

Com um pequeno dedo do governo, o garoto enfim consegue seu primeiro emprego, sendo Bruce (John Malcovitch) seu chefe. Dentro da empresa, é alertado por um funcionário, que reconhece a ligação de Sam com os Autobots, sobre assassinatos de humanos por Decepticons e de um “segredo”, motivando-o a procurar por Optimus Prime.

A partir de então o clima conspiratório vai sendo substituído, aos poucos, por um filme quase clássico de Michael Bay. Quase porque, por um lado, a ação vai tomando conta do enredo de uma forma que não dá espaço para respirar. Por outro, o diretor parece se conter de forma relativa em relação a alguns de seus vícios, destacadamente as cenas em slow motion, contra-sol e frases bregas. Não que não existam, mas estão moderadas, e isso é um ponto para o filme.

Em contrapartida, alguns elementos secundários que erroneamente foram apontadas como motivo para o fracasso do segundo filme, notavelmente o humor, foram contidos de tal forma que o filme se tornou demasiadamente sério. O Lado Oculto da Lua é um Transformers muito mais pesado que seus antecessores, com direito a humanos sendo vaporizados e assassinados. Pode parecer um ponto positivo para quem desejava um filme mais adulto, mas ver Shia LaBeouf e John Turturro contidos na sua improvisação os apaga demais, e isso pode ter a ver com as recentes farpas trocadas entre Shia e Michael Bay e o anúncio de que ambos estarão fora do quarto filme, caso ele seja produzido.

Outros pontos, como o excesso de robôs, não incomoda tanto aqui como no segundo longa. Continuamos vendo o “estupro” de máquinas nas telonas tão criticado no segundo, aliás, muito mais robôs. Por outro lado, é dada a atenção apenas aos robôs que realmente fazem alguma diferença na história, particulamente o decepticon Laserbeak, encarnado aqui como uma espécie de Fênix metálica.

Apesar dos altos e baixos, Transformers: O Lado Oculto da Lua se aproxima do primeiro filme e, de alguma forma, redime a direção do fiasco do segundo. Mas superar o segundo filme não é um grande feito, mesmo para um Michael Bay. E se houver um quarto filme, só o fato de que Bay estará fora já é uma boa notícia.

 

——————————
Transformers: Dark Side of The Moon (EUA, 2011). Ação. Paramount Pictures.
Direção: Michael Bay
Elenco: Shia LaBeouf, Josh Duhamel, Patrick Dempsey
Trailer
Galeria de Imagens
Coletiva de Imprensa no Rio de Janeiro
Crítica: Transformers
Crítica: Transfomers 2

Comentários via Facebook