TwitterFacebookTumblrOrkutFilmowFeedsContato  
 |   ANUNCIE

HOMEM-ARANHA
O trailer final
PEANUTS
Snoopy & Charlie Brown
TRANSFORMERS 4
O trailer da sequência

MARVEL
Acompanhe a Fase 2




Outra adaptação chega aos cinemas nesta sexta-feira. Veronika Decide Morrer, baseada na obra do brasileiro Paulo Coelho, repete em tela alguns dos erros narrativos do livro que o originou. Mesmo assim, é um bom começo para esta que pode ser uma carreira de outros produtos nacionais no cinema mundial.

Confira a crítica clicando em “Ver Completo”.

Veronika Decide Morrer
por Cássia Ferreira – colaboradora

Depois de ser traduzido para 67 idiomas, editado em mais 150 países e de se configurar como queridinho por celebridades do calibre da Madonna e até se tornar membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), Paulo Coelho chega agora às telas do cinema com a adaptação de seu romance publicado em 1998, Veronika Decide Morrer.

A personagem título do longa, que trata dos limites entre loucura e sanidade, é vivida pela eterna caça-vampiros Sarah Michelle Geller, que entrou no papel depois que Kate Bosworth (Superman – O Retorno) desistiu da empreitada. Com estreia prevista para o próximo dia 21 de agosto, o filme conta a história de uma filha de emigrantes eslavos que acorda em um hospital psiquiátrico depois de uma tentativa mal sucedida de suicídio. No local, Veronika descobre que seu tempo de vida, devido às sequelas da tentativa de se matar, é bastante curto. No comando da clínica Villete está o Dr. Blake (David Thewlis, da série Harry Potter), que utiliza práticas pouco ortodoxas para o tratamento de seus pacientes.

Permeada por uma Nova Iorque outonal – meio marrom, meio cinza –, a sequência inicial insere uma reflexão sobre as nossas escolhas, os caminhos pelos quais essas escolhas nos levam e ainda suas consequências. Na cena, Veronika vai roteirizando sua vida: as escolhas profissionais, os relacionamentos, a família que constituirá, a hipoteca que pagará, o marido com quem compartilhará a história; a vida perfeita que muita gente almeja está toda desenhada para ela, mas não é isso o que deseja.

Por essas e outras razões, Veronika decide morrer e a passagem mais interessante e intensa do longa acontece quando ela está no processo. A organização e o método aparecem até na hora de arrumar os remédios com os quais pretende consumir o fato. A analogia para a morte, como um mergulho em um lago profundo e iluminado, possui intensidade. E o reencontro da personagem consigo mesma, indicando que o processo foi mal sucedido, também é alcança profundo êxito.

De uma forma geral, tem-se um filme com elenco mediano e a direção de Emily Young parece que transcorreu com tranquilidade. O desenrolar da ação é um pouco lento e apresenta longas sequências de Sarah Michelle Geller tocando piano na clínica enquanto tenta resolver seu problema com a morte. E parece que consegue ao findar de uma sequência, no mínimo, inusitada – em que contracena com um dos pacientes, Edward (Jonatha Tucker) internado por se culpar pela morte da namorada. A adaptação é uma narrativa de poucos recursos tecnológicos, uma vez que toda a trama se desenrola no drama existencial da personagem.

Embora não tenha a proposta de ser um filme romântico, dá indícios que só o amor é redentor. Surge daí toda a sorte de baboseiras de autoajuda que costumam ser proferidas pelo autor do livro homônimo e que foi bem propagada pelo personagem Dr. Blake: como temores que a curará de todo mal de sua insanidade – uma prova clichê de superação.

Esta é a primeira obra do escritor brasileiro a ser adaptada para o cinema. No entanto, outras já tiveram os direitos vendidos e devem chegar às telonas em breve. O Alquimista e Onze Minutos são dois deles. Curiosamente, em entrevista publicada no Segundo Caderno (O Globo, 9 de agosto) Paulo Coelho afirmou ter se mantido longe do processo de adaptação da obra por preferir entrar no cinema, ver o filme e  concluir: “adorei” ou “odiei”.

O filme tem duração de 103 minutos e é uma oportunidade interessante de verificar o que pode ser feito com a adaptação do cultuado – embora não unânime – autor brasileiro. Cabe a você, leitor, decidir correr esse risco.

nota_5
Veronika Decides To Die (EUA, 2009). Drama. Imagem Filmes.
Direção: Emily Young
Elenco: Sarah Michelle Gellar, Jonathan Tucker, David Thewlis.

Tags: ,
19 respostas para »CRÍTICA: Veronika Decide Morrer»
  1. fica claro nesta critica a falta de etica proficional, ao se falar do autor do livro e seu genero de leitora com desdem e desrespeito. a critica deve ser feita de uma forma etica e proficional.
    odiei

  2. getulio, voce tá reclamando sobre isso: “surge daí toda a sorte de baboseiras de autoajuda que costumam ser proferidas pelo autor do livro homônimo e que foi bem propagada pelo personagem Dr. Blake: como temores que a curará de todo mal de sua insanidade – uma prova clichê de superação.” ?
    .
    porque acredite…se no livro isso pode parecer bonitinho, no filme é no minimo vergonhoso…eu juro que fiquei com vergonha dos atores e da diretora nessas cenas.
    .
    nunca li nada do paulo coelho e nunca tive nada contra o paulo coelho (até ler um texto onde ele teve a audacia de criticar o herman hesse). mas o filme é um lixo e a historia do filme é bizonha….a não ser que alguem me fale que modificaram toda a historia do livro no filme, não tenho motivos pra não acreditar que o livro seja uma merda.

  3. Não tinha muita vontade de ver e a crítica deixou-me com menos ainda!
    De qualquer forma é uma crítica ao Paulo Coelho ou a adaptação do filme para as salas cinematográficas? Quem fez a crítica não deve gostar muito do Paulo Coelho…

  4. Eu achei essa crítica muito confusa, então mantenho marcado o cinema com a familia na sexta à noite. D:

  5. É realmente muito extranho ver as pessoas acima , que nunca leram o livro e nem assitiram o filme , fazerem criticas do tipo:
    “Não tinha muita vontade de ver e a crítica deixou-me com menos ainda!”
    ou “mas o filme é um lixo e a historia do filme é bizonha….a não ser que alguem me fale que modificaram toda a historia do livro no filme, não tenho motivos pra não acreditar que o livro seja uma merda”.
    É repugnate, ver como as pessoas gastam energia para críticar uma pessoa (Paulo Coelho) que lutou e conquistou seu espaco quando poderiam usa-la em sua propria vida . Quem sabe é uma tentativa frustada de esconder seus proprios fracassos.

  6. Você foi muito infeliz com sua critica, Paulo Coelho não é autoajuda, acho que o criticam por pura inveja mesmo, pelo fato dele ser o escritor brasileiro de maior sucesso no mundo. Já li todos seus livros, sou completamente contra a introspecção, ou seja se auto ajudar, e sei que não estou falando besteira. E se o filme for tão bom quanto o livro, irei adorar, mas confesso que estou ansiosa pelo Alquimista, meu livro favorito.

  7. ”Repugnate, ver como as pessoas gastam energia para críticar uma pessoa (Paulo Coelho) que lutou e conquistou seu espaco quando poderiam usa-la em sua propria vida . Quem sabe é uma tentativa frustada de esconder seus proprios fracassos.”
    concordo, e a matéria foi muito mal feita e pessoal…
    Que venha o Alquimista e que critiquem, nem aí pra isso :)

  8. “É repugnate, ver como as pessoas gastam energia para críticar uma pessoa (Paulo Coelho) que lutou e conquistou seu espaco quando poderiam usa-la em sua propria vida . Quem sabe é uma tentativa frustada de esconder seus proprios fracassos.”
    .
    infelizmente ele é um escritor….e o que ele apresenta é a sua obra (livro) e não a sua historia de vida. se ele teve uma historia de vida interessate, legal pra ele….o que ele me apresenta é o seu livro e só posso julgar oq ue ele me apresenta.
    .
    no caso do filme, o filme é muito ruim. se a diretora e os atores tem uma historia de vida legal, isso eu não sei…só sei que o trabalho que eles me apresentaram (o filme) é muito ruim.

  9. Fã é uma merda mesmo. :P

  10. Dá para sentir em cada linha como o autor da crítica sente inveja de Paulo Coelho.
    Não sou fã de Paulo, mas o filme merece sim ser visto.
    E para mim a maior parte dos críticos são como Eunucos, sabem como deve ser feito, estudam como deve ser feito, mas não possuem a capacidade de ir lá e fazer.

  11. Mas é isso mesmo, meu querido. O caso não é ter capacidade, é dinheiro. Ou vc acha que um filme caríssimo, uma megaprodução como Veronika decide morrer é baratinha?

    Vai assistir Hitchcock que vc ganha mais. Aprenda a respeitar os críticos, sem eles vc não seria ninguém, ok dear?

  12. “E para mim a maior parte dos críticos são como Eunucos, sabem como deve ser feito, estudam como deve ser feito, mas não possuem a capacidade de ir lá e fazer.”
    .
    realmente…tenho que aplaudir qualquer medida feita pelos nossos senadores,ministros e presidentes. já que eu realmente não possuo capacidade para ser um.
    .
    criticar collor,sarney e lula?? só se eu for politico ou mestre em administração publica……..

  13. Érika Zemuner says:

    Existem alguns tipos de fãs que já aprendi a não discutir os de Paulo Coelho estão entre eles.

    Não adianta dizer pra essas criaturas que ele é um escritor fajuto e uma fraude literária, afinal seus fãs já sofreram uma lavagem cerebral impossível de se reverter.

  14. [...] “De uma forma geral, tem-se um filme com elenco mediano e a direção de Emily Young parece que transcorreu com tranquilidade.” Cássia Ferreira – Pipoca Blog [...]

  15. O filme é bem legal e valeu a pena assistir se trata de não abandonar os seus sonhos por mais simples que sejam!

  16. não sou fã de paulo coelho, assiti o filme hoje e posso dizer que como muitos dizem não é o filme do ano, mas vale a pena ver, a historia é boa, os atores foram muito bem, até sarah que sempre achei fraquinha me surpreendeu e o final achei surpeendente.

  17. O livro com certeza é uma das melhores obras que já li, não pela autoajuda e blás o que quer que seja…
    mas porque é uma ótima historia e te surpreende bastante, talvez o filme não tenha passado pra nós tudo o que o livro passou, mas não é um filme tão ruim, talvez um pouco parado e não nos mostra realmente que veronika mudou, como no livro mostra…

  18. Achei bonzino o filme.

  19. professor analfa says:

    o Getulio escreveu “etica profiCional”…
    a Adriana escreveu “é realmente muito eXtranho”

    Resolvi parar de ler.

Comentários via site: