O Fim do Mundo | Compense sua frustração por continuar vivo com alguns filmes-catástrofe

Notícias
// 20/12/2012

Não havia como deixarmos a data escapar. Nem a nossa imensa preocupação pelo fato de que hoje, dia 21/12/2012, aproximadamente ao meio-dia (horário de Brasília), acontece o Fim do Mundo, cujo grau de nervosismo da nossa equipe está brilhantemente traduzida na imagem que estampa essa postagem especial de hoje.

Mas, como tudo o que você planejou para 2012, o encerramento pode dar errado e alguém no Céu dos Maias esquecer de apertar o botão de autodestruição ou o evento ser suspenso porque até as entidades responsáveis pelo apocalipse querem ver que salada se dará no Brasil com a Copa do Mundo em 2014. Precavidos, trouxemos então uma lista – que não segue nenhuma ordem de preferência em particular – de dez filmes-catástrofe que você pode assistir ao longo do dia, como uma espécie de consolação pelo fato de que você ainda terá de pagar suas contas (inclusive aquelas que você fez se garantindo no fim dos tempos) ou de que o mundo não acabou antes de termos de encarar o remake de Crepúsculo.

Confira clicando em “Ver Completo”.

1 – Armagedon (1998)

Quando Michael Bay começou a dirigir o bando de ferro retorcido incompreensível em tela que foi Transformers, ele já tinha dado uma passada pela destruição em massa. Armagedon colocou Liv Tyler entre o grande público e, além de ter Bruce Willis como o astronauta protagonista, era o início da prova de que nem para selecionar elenco Bay serve, já que repetiu anos depois a presença do erro Ben Afleck em um de seus filmes (no caso, Pearl Harbour). Isso sem contar a indicação simultânea ao Oscar de Melhor Canção e ao Framboesa de Ouro de Pior Canção para “I Don’t Want To Miss a Thing”, do Aerosmith. Mas se Sandra Bullock pode (e ainda ganhou), por que não uma reles música-chiclete?

 

2 – Fim dos Tempos (2009)

Algum dia M. Night Shyamalan foi muito bom. Não era mais na época do lançamento de Fim dos tempos (The Happening), em 2009. Isso porque, bem, os culpados por toda a carnificina humana eram os vegetais do planeta, numa remontagem risível da máxima de que “a natureza um dia revidará”. Algumas cenas até chegaram a ser indicadas ao Combo Mega, aqui no site, como piores sequências do ano. Não tem efeitos visuais, pirotecnia e nem uma história boa. Mas é catástrofe, de um jeito ou de outro.

 

3 – Impacto Profundo (1998)

Talvez um dos mais interessantes longas sobre a destruição do planeta. O motivo? Pela primeira vez vemos em qualidade e por várias perspectivas dentro da ação o planeta sendo devastado pelo choque de um meteoro, causando uma das melhores sequências de destruição do Cinema na época (e que ainda vale a pena rever até hoje). Vale lembrar que o longa tinha Morgan Freeman como presidente dos EUA. E, bem, que isso não seja nenhum fato que passe da mera coincidência. #Obama. E se passar, é hora de darmos graças a Deus ao fato de os produtores não terem tido a coragem de acabar com o planeta de vez e feito um final pseudo-feliz.

 

4 – Guerra dos Mundos (2005)

Já foi dito, mas vale repetir: Steven Spielberg significa efeitos visuais sem prazo de validade. Se há um diretor cuja técnica envelhece muito bem, é esse. E uma invasão de alienígenas nada simpáticos causando um Amagedon muito mais ameaçador do que o do longa de Michael Bay pode valer o dia pela intensidade de algumas passagens e a boa atuação que fez de Dakota Fanning o que ela é hoje.

 

5 – O Dia Depois de Amanhã (2004)

Roland Emmerich trouxe um Jake Gylhenhaal que não era famosinho como hoje (e nem arrancava suspiros até então). E trouxe junto um filme que tinha como ponto central um lugar-comum, literalmente: Nova Iorque. Ou melhor, Nova Iorque sendo destruída (pelo milésimo filme consecutivo). Ao menos a sequência do tsunami invadindo a Big Apple valeu o ingresso, algo que não pode ser dito dos lobos que atacavam o personagem de Jake, tirando a indicação ao Oscar dos efeitos visuais de suas mãos. Óbvio que Roland não ficou convencido e voltaria anos depois com uma carta na manga (que também não ia render Oscar algum).

6 – O Inferno de Dante (1997)

Que atire a primeira pedra quem nunca assistiu ao filme na Temperatura Máxima, da Globo, e que não ficava sempre torcendo para os personagens deixarem a cidade a tempo. O Inferno de Dante pode se resumir a  uma região bem concentrada e, mais especificamente, a uma família. Mas os elementos catastróficos estão lá. E o então James Bond, Pierce Brosnan, também.

 

7 – O Fim dos Dias (1999)

Tudo bem. Pode não ser um filme-catástrofe. Mas se trata do Fim do Mundo, “apocalipticamente” falando. O que o Diabo não contava, entretanto, é que deveria passar por cima de um Exterminador para ter o mundo em suas mãos. O que seria uma tarefa muito mais difícil do que convencer alguém a assistir mais de uma vez.

 

8 – Independence Day (1996)

De novo: Roland Emmerich. Foi aqui que ele treinou sua artimanhas de destruição em massa. O ponto de ação? Nova Iorque. A mesma cidade que ele utilizou anos mais tarde em O Dia Depois de Amanhã. Claro que aqui ele usou muito mais toda aquela bobeira de patriotismo norte-americano que só funciona por lá e todo o resto do globo ignora. Deve ser por isso, aliás, que os extraterrestres insistem em sempre acabar com a graça PRIMEIRO nos EUA. Porque não há quem aguente esse repeteco ideológico.

 

9 – 2012 (2009)

Quem? Roland Emmerich, o inabalável. O que? O ano de 2012. Quando? Em 2009. Como? Cometendo a gafe de citar uma pausa nas Olimpíadas de Londres em pleno mês de dezembro, quando o evento esportivo acontece sempre no meio do ano.  E o que mais? Juntando o fim do planeta com Arca de Noé em uma trama que, do nada, muda o rumo e contrasta efeitos visuais de última geração com sobreposição em chroma key dignos da Turma do Didi. É claro que o Oscar de Efeitos Visuais passou longe. Era ano de Avatar, não tinha sequer possibilidade remota.

 

10 – O Impossível (2012)

Amanhã o mundo acaba. Ninguém precisa mais se preocupar com credibilidade. Então podemos nos dar ao luxo de sugerir que fizemos toda essa publicação só para que vocês lessem a crítica postada há alguns minutos de O Impossível, filme catástrofe que estreará amanhã, dia 21/12/2012 (se der tempo). Mas o trailer tá aqui:

11 – Filme Bônus: Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo (2012)

Porque se é pra acabar, que se acabe fazendo o que se quer, com quem se quer.

Comentários via Facebook
Categorias
Notícias